quarta-feira, novembro 18, 2015

1994

Eu passo o ano todo pensando nesse dia.

O dia que você se foi.

Se eu pudesse te contar qualquer coisa sobre mim, seria que eu sinto a sua falta.  Há em mim a sensação de que está tudo errado o tempo todo, como se o destino em si tivesse falhado.

Você não foi meu pai não nem por um segundo e ainda assim não houve um segundo da minha vida que eu não me senti sua filha.  Acho que foi isso que doeu mais. Essa falta, que nunca foi só uma falta, mas sim um amor, um amor que veio junto comigo desde sempre, um amor de quem nasceu esperando te ver e nunca te viu.

Não há em mim um milimetro de dor que não seja um pouco de saudades suas. Toda vez que eu chorei por qualquer que fosse o motivo, era sempre um pouco por você. Cada lágrima é um pouquinho por esse dia.

O nosso desencontro faz parte da minha personalidade. Essa sensação de que estou sempre atrasada.
Acho que por isso  que no único sonho que eu tive contigo, eu corria pra te encontrar, mas quando eu chegava, você já tinha ido embora.
Nesse dia eu lembro que acordei chorando, porque não há um centímetro do meu ser que eu não desejasse que você me visse pelo menos uma vez.
Mesmo que em sonho.








2 comentários:

Unknown disse...

Simplismente lindo.

Fernanda Nogas disse...

Você não está atrasada, Fer. Cada mínima coisa da vida acontece no seu devido tempo. Não temos o privilégio de saber os porquês, mas quem sabe um dia o universo nos deixa saber...