terça-feira, outubro 14, 2014

Postal

Uma carta de amor que ninguém vai ler.
Mil e um poemas sem nenhum você.
847 mensagens não respondidas.
Uma vida toda que ficou pra gente ver.

Eu vou embora e não tem problema,
porque a vida não é aqui, meu bem,
deixa que eu faço mais mil poemas
e escrevo outras tantas mensagens
até a gente se esquecer.


Um comentário:

Anônimo disse...

Não espero te fazer rir ou chorar, tampouco te surpreender. Basta uma dose de íntima dor, arrancada do peito em completo sincretismo à sua perda em forma literal. É incompreensível esse ciclo que faz com que as dores se assemelhem, e que tuas palavras encaixem tão perfeitamente num contexto que me parece tão desigual. Nunca desista de escrever nossas dores, amores e perdas por aí. Não sabes o quanto se faz identificar e o quão importante é ver a imensa dor que não sabemos explicar, descritas no que, a olho nu, parece com um simples poema. Acima de tudo, jamais desista das pessoas, nem todas as pessoas do mundo são os cafagestes de que tanto gostas, e ainda existem pessoas decentes e sensíveis, que irão arrancar-te os mais belos sorrisos, e junto com estes, as mais lindas literaturas que adoraremos compartilhar. <3