domingo, fevereiro 23, 2014

Pátio

Pátio aberto e um sorriso em um milhão dos quais ela já havia se apaixonado por. 

A história que ela me contou tinha a ver com a garota que eu fui por muito tempo e foi isso que me fez tão bem em ler aquele e-mail, porque eu realmente acredito que ela é uma das melhores pessoas que eu já conheci. Ela me disse que eu sabia transformar sentimentos abstratos em palavras concretas, mas a verdade é que o passado é concreto e é só por isso que tudo que eu escrevo soa tão firme, porque é passado. E isso não tem que necessariamente ser ruim, o passado tem um enorme acervo de dias fantásticos, a gente só tem que se esforçar para lembrar deles tanto quanto nos lembramos dos dias ruins.

Mas agora para a história dela.

Queria eu ter estado naquele pátio e visto teu sorriso quando você o viu em meio a multidão de adolescentes efervescentes aproveitando seus quinze minutos de liberdade entre um professor chato e outro, deve ter sido a coisa mais linda, porque paixão deixa a gente mais bonita, mais cheia da gente. E eu queria também ter lido tua conversa com ele, depois que tua amiga resolveu mandar aquele dolorido "Oi" que você ensaiou por meses, mas nunca teve coragem de falar... E nos 35 segundos de angústia, entre o "Oi" e a resposta dele, que inundaram teu peito e te fizeram pensar que essa paixão era um caso perdido, nasceu uma belíssima coisa chamada esperança enquanto o assunto fluía fácil entre vocês dois.

E sabe, eu consigo ler teus pensamentos... Porque eu já estive ai também, e eu acho que toda garota já esteve ai. De uma maneira ou de outra existe sempre aquele momento em nossas vidas dos quais estamos certas de termos encontrado o cara que vai nos ver toda de branco no dia mais especial de nossas vidas, ele te deixa sem graça durante a conversa e faz os teus músculos do rosto doerem de tanto sorrir, por que você tem certeza que ele é o cara... E não tem porque se achar tola por isso! Não há garota que não tenha pensado assim sobre alguém. Todas nós já sonhamos pelo menos uma vez com o cara errado. Seja ele o John Travolta em 1978 ou moleque do colégio que a gente demora uma vida pra ter coragem de manter contato visual e depois é tomada por um espírito de fuga que nos tranca dentro uma jaula chamada vergonha e nos impede de ser feliz no auge de nossos 14 ou 15 anos. Quem quer ser feliz com 14 anos? Felicidade na adolescência é um negócio que a gente vive uma média de meia hora por dia com sorte. O importante é ser feliz quando a gente cresce, quando o mundo já não é mais novidade, quando não dá mais para brincar a tarde inteira depois de passar amanhã na escola aprendendo fração...

E você me disse que se culpa todos os dias desde que o ignorou quando o viu no corredor depois daquelas longas férias de inverno, mas saiba que eu achei que por mais cruel que pareça, foi apenas a vida querendo te guardar pra algo melhor, querendo te fazer uma mulher mais cheia de história... Imagina que chato ter um final feliz no meio da adolescência? Isso meio que banaliza o resto da sua vida. Sério, não tem por que se culpar, a vida sabe o que faz. Um dia ela faz a gente se jogar de cabeça em coisas que a gente não tem ideia de aonde vão nos levar e por outras nos guarda e vela dentro de um quarto escuro dizendo pra gente esperar, que logo passa a sensação de que está tudo errado e o sol já nasce, novo outro vez, brilhando no céu dessa vida meio cinza que a gente vive na maioria dos dias. E eu acho que assim tudo vale mais a pena, ele pode até ter arranjado outra namoradinha, mas a gente não liga, porque graças a Deus a gente esquece, a gente se perdoa e a gente acorda um dia e vê as infinitas possibilidades que se estendem ao longo do resto da nossa vida.

E te digo mais, guarda teu coração para quem vai lutar por ele, porquê quando você caminhou por aquele corredor como uma bala de canhão pronta para destruir qualquer possibilidade de contato entre vocês dois, ele deveria ter sido mais forte e te impedido, porque acredite em mim, o cara certo vai. 

Eu não faço ideia se eu fiz o que você me pediu, mas eu me lembro de algo sobre querer palavras de conforto e eu acho que eu não sou muito boa nisso, porque a vida não é confortável e é sobre ela que eu escrevo. Então eu vou te dar algo melhor, vou te dar a verdade: Seu coração é doce e se algumas coisas não deram certo como você esperava que dessem, a culpa não é sua, não é de ninguém, até porque não existe esse negócio de culpa, existe uma coisa que eu não sei o nome, mas eu sei que por mais cruel que essa coisa seja, ela quer por muitas vezes só nos proteger de entregar nosso coração em mãos erradas. Então calma, porque por mais cliché que seja, tem hora para tudo nessa vida.

E por favor, nunca mais engula o choro, porque dói menos se você deixar correr solto pelo rosto, encharcar a retina, matar afogada todas as dores. Chora sim, a gente chora porque estamos nascendo de novo para ver a vida ainda mais bonita diante de nós.

3 comentários:

Verônica Hiller. disse...

me deu tanta saudade dos meus 14 anos... tá lindo, singelo, simples. deu vontade de ler todas as minhas histórias de amor escritas assim.

Carina Ferreira disse...

Oi, te indiquei para fazer uma tag: http://acervodeamor.blogspot.com.br/2014/03/tag-2-versatile-blogger.html
Espero que goste!
Beijos

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)