sábado, novembro 27, 2010

Nada.

Eu quero ser ela.
Ela que é sua
E você que não sabe.

Você que é muito pouco
pra ela que é nada.
Nada que é tudo,
quando se perde as contas
Das vezes que se viu derrotada.

E eu acho que descobri o que falta.
Aquilo que eu tinha com ele
Mas que agora é nada.

Um nada que evanesce com calma,
A calma de quem não teme mais nada.

Porque o sol se apagou quando a lua morreu.
E não há ninguém dentro de ti,
Desde que ela te tirou de dentro dela.

Sem leões e sem sóis.
Agora sim, cem de mim
Que se percam em fim
Dentro dos outros caminhos bem mais sutis.


{...}

11 comentários:

Kamilla Rodrigues disse...

Sem leões e sem sóis.
Morri,muito lindo *-*
Colhendomorangos.blogspot.com
=*

bruno bortoleto disse...

mto lindo!

dear sarah disse...

Gente, muito lindo mesmo.
Adorei seu blog.

Obrigada pela visita!

Ju Fuzetto disse...

Que coisa mais linda!!!


Perfeito...


Um beijo linda flor

camila souza. disse...

eu poderia viver me encantando,é a melhor sensação (:

dear sarah disse...

Boa quarta-feira querida ;*

Vera disse...

adorei! **

ana moura disse...

Muito obrigada :)

Ju Fuzetto disse...

Bom final de semana Linda flor!!

beijos

Daniela Filipini disse...

Maravilhoso.
Outras palavras seriam desnecessárias e indignas. Maravilhoso.

Alice disse...

As vezes temos de deixar nada ser apenas nada.
Quem nunca quis ser ela ,que ela não é nada comparado a nós !